O Fenômeno do Big Data e os Pressupostos para uma Nova Onda de Acesso Material á Justiça

Caio Augusto Souza Lara, Adriana Goulart de Sena Orsini

Resumo


Diante do florescimento de aplicações em big data e do ganho de eficiência das políticas públicas em prol da população em várias áreas da atividade humana pela detecção de padrões de comportamentos eletrônicos, o presente trabalho consiste na análise de possibilidades de utilização destes mecanismos digitais pelo universo jurídico. Investiga-se como uma ação conjunta dos entes públicos com a participação da sociedade em novos desenhos institucionais podem levar ao jurisdicionado-cidadão uma experimentação típica da sociedade infodemocrática do século XXI com significativo ganho na efetividade de direitos em uma nova fase de acesso à justiça. 


Palavras-chave


Acesso à justiça; Ondas de Acesso; Big data; Interdisciplinaridade; Desenhos Institucionais; Reconhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


AVRITZER, Leonardo. Participatory Institutions in Democratic Brazil. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2009.

BATISTA, Everton Lopes. 'Big data' ajuda a gerenciar trânsito e dá pistas sobre políticas públicas. Portal Folha Online – 23/02/2017. Disponível em . Acesso em 01/03/2017.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução por Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1988.

CHAPMAN, Lee. The Birmingham Urban Climate Laboratory: An Open Meteorological Test Bed and Challenges of the Smart City. Portal American Metereological Society – 17/10/2014. Disponível em . Acesso em 01/03/2017.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números 2016: ano-base 2015. Brasília: CNJ, 2016.

_______. Justiça em Números. Disponível em . Acesso em 06/03/2017.

CORMEN, Thomas H.. Desmistificando algoritmos. Tradução Arlete Simille Marques. 1ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

ECONOMIDES, Kim. Lendo as Ondas do Movimento de Acesso à Justiça: Epistemologia versus Metodologia. In: Cidadania, Justiça e Violência. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999. Disponível em . Acesso em 28/02/2017.

FRASER, Nancy. Igualdade, identidades e justiça social – Luta de classes ou respeito às diferenças? Le Monde Diplomatique Brasil – 01/06/2012. Disponível em . Acesso em 28/02/2017.

_______. Reconhecimento sem Ética? In.: Revista Lua Nova, São Paulo. n.70. pp. 101-138. 2007.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa. (Re)pensando a pesquisa jurídica: teoria e prática / Miracy Barbosa de Sousa Gustin e Maria Tereza Fonseca Dias. 3ª ed. rev. e atual. pela NBR 14.724, de 30/12/05, da ABNT – Belo Horizonte: Del Rey, 2010.

HEALTHMAP. Boston Children's Hospital. Disponível em . Acesso em 28/02/2017.

HELBING, Dirk. et al. Will Democracy Survive Big Data and Artificial Intelligence? Portal Scientific American – 25/02/2017. Disponível em . Acesso em 01/03/2017.

HEKIMA - Soluções customizadas de Big Data Analytics. Minority Report da vida real: China utiliza Big Data para prever crimes. 23/05/2016. Disponível em . Acesso em 03/03/2017.

INTERNATINAL DATA CORPORATION. The 2011 Digital Universe Study: extracting value from chaos. Junho de 2011. Disponível em . Acesso em: 28/02/2017.

LARA, Caio Augusto Souza; BARROSO, Alessandra Soares. O Big Data como uma nova onda de acesso material à justiça. In: Ética, ciência e cultura jurídica: IV Congresso Nacional da FEPODI. Coordenadores: Livia Gaigher Bosio Campello, Mariana Ribeiro Santiago – São Paulo: FEPODI, 2015. Disponível em: . Acesso em 28/02/2017.

MANCUSO. Rodolfo de Camargo. A resolução de conflitos e a função judicial no contemporâneo Estado de Direito. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009.

_______. Acesso à justiça: condicionantes legítimas e ilegítimas. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

MARR, Bernard. Big Data Explained in Less Than 2 Minutes - To Absolutely Anyone. Portal LinkedIn – 23/03/2015. Disponível em . Acesso em 28/02/2017.

METZ, David. Como o big data pode ajudar a melhorar o trânsito nas grandes cidades? Portal GE Reports Brasil – 14/04/2016. Disponível em . Acesso em 01/03/2017.

PENTLAND, Alex. Social Physics: How Good Ideas Spread— The Lessons from a New Science. Nova York, The Penguin Press, 2014.

RIJMENAN, Mark van. The Los Angeles Police Department Is Predicting and Fighting Crime With Big Data. Portal Datafloq. Disponível em < https://datafloq.com/read/los-angeles-police-department-predicts-fights-crim/279>. Acesso em 03/03/2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma revolução democrática de justiça. 3ª ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

SENA, Adriana Goulart de; CORRÊA DA COSTA, Mila Batista Leite. Ensino Jurídico: Resolução de Conflitos e Educação para a Alteridade. Rev. Fac. Direito UFMG, Belo Horizonte, n. 56, p. 11-32, jan./jun. 2010.

VIGLIAR, José Marcelo Menezes. Litigiosidade contida (e o contingenciamento da litigiosidade). In: SALLES, Carlos Alberto de (coord.), As grandes transformações do processo civil brasileiro: homenagem ao Professor Kazuo Watanabe. São Paulo: QuartierLatin, 2009.

WATANABE, Kazuo. Acesso à justiça e sociedade moderna. In GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel; WATANABE, Kazuo (coords.). Participação e processo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1988.


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Caio Augusto Souza Lara, Adriana Goulart de Sena Orsini

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.