Gestão Estratégica dos Sistemas Transacionais (ERP) na Perspectiva de Pós-Implementação: Modelagem de Competências de Tecnologia da Informação em Organizações de Saúde no Âmbito Hospitalar

Leticia Almeida, Nendy Temistocles Ribeiro, César Augusto Biancolino

Resumo


Esta pesquisa avalia o papel das competências organizacionais que estão vinculadas ao universo de gestão dos sistemas ERPs no setor hospitalar, em sua perspectiva de pós-implementação. Para tal, utiliza o referencial teórico associado tanto à literatura voltada para o estudo das competências organizacionais como também à literatura voltada para o a gestão dos sistemas ERPs, com foco no setor hospitalar público. A partir do levantamento bibliográfico, foram elaboradas proposições de estudo que serviram de base para o desenvolvimento de uma matriz de competências junto a um hospital público de administração direta do Estado de São Paulo. A metodologia utilizada no estudo previu o desenvolvimento do método de estudo de caso, através do qual as informações colhidas na organização foram analisadas em conjunto e de forma cruzada, possibilitando a identificação das competências organizacionais e de suas respectivas aderências ao problema da pesquisa. As evidências empíricas sugerem que de fato existe um conjunto de competências organizacionais relacionadas à pós-implementação do aplicativo ERPs em um hospital, relacionadas à qualidade de uso; qualidade das informações extraídas e dos requisitos de segurança, sigilo e confiabilidade legalmente exigidos especificamente quando se trata de informações médicas. No hospital público estudado, o grau de aderência à estas competências relacionadas resultou em 63%.

Palavras-chave


ERP, Competências Organizacionais, Hospital Público.

Texto completo:

PDF

Referências


Abbagnano, N. (1970). Dicionário de filosofia. São Paulo: Mestre Jou. Amarasingham, R., Diener-West, M., Weiner, M., Lehmann, H., Herbers, J. E., &Powe, N. R. (2006). Clinical information technology capabilities in four US hospitals: testing a new structural performance measure. Medical care, 44(3), 216–224.

Araújo, B. G., de Medeiros Valentim, R. A., Hekis, H. R., Júnior, J. D., Tourinho, F. S. V., & Souza Alves, R. L. (2013). Processo de certificação de sistemas de registro eletrônico de saúde no Brasil: uma abordagem abrangente e os principais desafios. Revista Brasileira de Inovação Tecnológica em Saúde ISSN: 2236-1103, 3(3).

Bonaparte, I., Austin, N., & Okoro, E. (2015). Strategic Decision Making At Enterprise Resource Planning: Chief Financial Officer At The Crossroads. Journal of Business Case Studies (Online), 11(1), 41.

Brandão, H. P., & Guimarães, T. de A. (2001). Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto. RAE, 41(1), 9.

Brown, S. H., Lincoln, M. J., Groen, P. J., &Kolodner, R. M. (2003).Vista — US Department of Veterans Affairs national-scale HIS. International journal of medical informatics, 69(2), 135–156.

Brynjolfsson, E. ,Hitt, L. M. (2002). Intangible assets: how the interaction of computers and organizational structure affects stock market valuations. Brookings Paperson Economic Activity, 33(1), 137-198.

Canêo, P. K., Rondina, J. M. (2014). Prontuário Eletrônico do Paciente: conhecendo as experiências de sua implantação. Journal of Health Informatics, 6(2).

Carbone, P. P. (2012). Gestão por competências – uma nova metodologia de gerenciamento do capital humano. Revista Mundo PM, (11), 18–22.

Davenport, T. H. (1998). Putting the enterprise into the enterprise system. Harvard business review, (76), 121–31.

Dezdar, S., Ainin, S. (2011).The influence of organizational factors on successful ERP implementation. Management Decision, 49(6), 911–926.

Goldberger, D., Kremsdorf, R. (2001). Clinical Information Systems—Developing a Systematic Planning Process. The Journal of ambulatory care management, 24(1), 67–83.

Hamel, G., Prahalad, C. K. (1995). Competindo pelo futuro. Rio de janeiro: Campus, 301.

Haruki, Y., Ogushi, Y., Okada, Y., Kimura, M., Kumamoto, I., Sekita, Y. (1999). Status and perspective of hospital information systems in Japan. Methods Inf Med, 38(3), 200–206.

Jaana, M., Paré, G., &Sicotte, C. (2009). Information technology capacities assessment tool in hospitals: Instrument development and validation. International Journal of Technology Assessment in Health Care, 25(1), 97–106.

Jain, V. (2008). A framework for sustentainable ERP value. Thesis PhD, The George Washington University, Washington, D.C.

Johnson, G. (2014). Trends in ERP Software. Quality, 53(3), 30–33.

Katerattanakul, P., Lee, J. J., & Hong, S. (2014). Effect of business characteristics and ERP implementation on business outcomes: An exploratory study of Korean manufacturing firms. Management Research Review, 37(2), 186–206.

Kraemer, K., Dedrick, J. (2001). The productivity paradox: it is resolved? Is there a new one? What does it all mean for manager’s ? Irvine: CRITO.

Laudon, K. C., Laudon, J. P. (2012). Sistemas de información gerencial (12aed). México: Pearson Educación.

Laurindo, F. J. B., Shimizu, T., CARVALHO, M. M. de, &Rabechini Jr, R. (2001). O papel da tecnologia da informação (TI) na estratégia das organizações. Gestão & Produção, 8(2), 160–179

Majed, A. M. (2000). Enterprise-wide information systems: the case of SAP R/3 application. Proceedings of the International Conference on Enterprise Information Systems, 2 (pp. 3-8).

Markus, M. L., Axline, S., Petrie, D., &Tanis, C. (2000). Learning from adopters’ experiences with ERP: problems encountered and successachieved. Journal of Information Technology, 15, 245–265.

Martinho, R., Varajão, J., Cunha, M. M. C., Balloni, A. (2014). Tecnologias e sistemas de informação em entidades hospitalares: dois casos de hospitais portugueses.

Morais, R. M., Costa, A. L., Góes, W. M., Somera, S. C. (2013). Aplicação de métricas de software em um modelo de avaliação de qualidade para sistemas de informação de saúde: um estudo de factibilidade em um hospital público universitário.

Neira, R. A. Q., Nardon, F. B., Moura Jr, L. A., &Leão, B. F. (2008). Como incorporar conhecimento aos sistemas de registro eletrônico em saúde. In Anais do XI Congresso Brasileiro de Informática em Saúde – CBIS. Campos de Jordão: São Paulo.

Odenwald, T., & Berg, C. (2014).A New Perspective on Enterprise Resource Management. MIT Sloan Management Review, 56(1), 12–14.

Penrose, E. T. (1959). The Theory of the Growth of the Firm. Oxford university press.

Porter, M. E., Millar, V. E. (1985). How information gives you competitive advantage. Harvard Business Review, Reprint Service.

Rodrigues, L. C., & Fernandez, M. J. (2012). Alinhamento estratégico da tecnologia de informação e inteligência competitiva. Revista inteligência competitiva, 1(3), 328–344.

Souza, G. L., Rosini, A. M., Bianchi, K., Souza, C., Schuster, C., & Oliveira, R. (2014). ESCOLHA DE UM ERP EM UM AMBIENTE HOSPITALAR. In 11a Conferência Internacional sobre Sistemas de Informação e Gestão de Tecnologia. Recuperado de http://www.tecsi.fea.usp.br/envio/contecsi/index.php/contecsi/11contecsi/paper/viewPaper/81

Vecina Neto, G., &Malik, A. M. (2012). Gestão em Saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.




DOI: http://dx.doi.org/10.21902/jhmreview.v2i2.342

Apontamentos

  • Não há apontamentos.