Uma Abordagem Contingencial de Gerenciamento de Projetos no Desenvolvimento de uma Ferramenta de Apoio à Gestão da Pós-Graduação Stricto Sensu

Ricardo Antônio Câmara da Silva, Emerson Maccari, Renato Ribeiro Nogueira Ferraz

Resumo


Este trabalho constitui-se em uma pesquisa aplicada, qualitativa e exploratória, realizada pelo método da pesquisa-ação. Tem como objetivo investigar a aplicação de uma abordagem contingencial no gerenciamento de um projeto destinado a desenvolver uma ferramenta com aplicação prática, no apoio à gestão da Pós-Graduação Stricto sensu. Na fase inicial do projeto foi escolhida a abordagem Adaptativa, por meio da aplicação do método do Ciclo de Vida de Gerenciamento de Projetos. O trabalho do projeto compreende a integração de dados armazenado em bancos de dados dos órgãos governamentais CAPES e CNPq, assim como a construção de um protótipo que disponibilize consultas aos dados integrados e permita a geração automatizada de listas de entrada para o programa Scriptsucupira. A implementação da ferramenta proposta facilitará a recuperação mais eficiente da produção científica dos docente brasileiros, contribuindo para a geração de conhecimentos teóricos e práticos capazes de apoiar a gestão de programas de Pós-Graduação Stricto sensu, em atividades como o fornecimento de informações para o sistema de avaliação da CAPES, análises de produção acadêmica, análises de redes de colaboração de pesquisadores, formulação de políticas, acompanhamento e avaliação de programas de Pós-Graduação, entre outras iniciativas.


Palavras-chave


Pós-Graduação Stricto sensu; Gerenciamento de projetos; Abordagens contingenciais em gestão de projetos; Bancos de dados de produção acadêmica; Ciclo de Vida de Gerenciamento de Projetos

Texto completo:

PDF

Referências


Akim, É. K., Mergulhão, R. C., & Borrás, M. Á. A. (2013). Proposta de análise de falhas na coleta de informações para a avaliação de programas de pós-graduação baseada no FMEA. Revista Eletrônica Produção & Engenharia, 5(1), 500–518.

Almeida, M. H. (2010, dezembro). A pós-graduação no Brasil: onde está e para onde poderia ir, em Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2011-2020 Documentos Setoriais Volume II. DTI/CGD/CAPES.

Alves, A. D., Yanasse, H. H., & Soma, N. Y. (2012). LattesMiner: uma linguagem de domínio específico para extração automática de informações da Plataforma Lattes. Apresentado em XII Workshop de computação aplicada, São José dos Campos.

Balbachevsky, E. (2005). A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-sucedida. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1, 285–314.

Bavaresco, J., Ferraz, R. R. N., Barro, F. C., & Boeira, D. de A. R. (2015). Uso da ferramenta computacional Scriptsucupira como estratégia gerencial para acompanhamento da produção acadêmica em uma Instituição Educacional de Nível Superior. Revista de Gestão e Secretariado, 6(2), 1–18.

Bernheim, C. T., & Chaui, M. de S. (2003). Challenges of the university in the knowledge society, five years after the World Conference on Higher Education. In Paper produced for the UNESCO Forum Regional Scientific Committee for Latin America and the Caribbean (UNESCO Forum Occasional Paper Series N 4).

Biancolino, C. A., Kniess, C. T., Maccari, E. A., & Rabechini Jr., R. (2012). Protocolo para elaboração de relatos de produção técnica. Revista de Gestão e Projetos - GeP, 3(2), 294–307.

Cabral Neto, A. (2012). Mudanças contextuais e as novas regulações: repercussões no campo da política educacional. Revista Educação em Questão, 42(28), 7–40.

Campanario, M. de A., Maccari, E. A., da Silva, M. M., & Santana, S. G. (2009). Desenvolvimento de um curso de mestrado profissional sob a perspectiva da gestão de projetos. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(33), 423–442.

CAPES/MEC. (2008). CAPES - História e missão. Recuperado de http://www.capes.gov.br /historia-e-missao

CAPES/MEC. (2010). Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2011-2020 Volume I. DTI/CGD/CAPES.

CAPES/MEC. (2014a). CAPES - Sobre a Avaliação. Recuperado 21 de fevereiro de 2015, de http://www.capes.gov.br/avaliacao/sobre-a-avaliacao

CAPES/MEC. (2014b). CAPES - Entrada no SNPG: Propostas de cursos novos. Recuperado de http://www.capes.gov.br/avaliacao/entrada-no-snpg-propostas

CAPES/MEC. (2014c). Coleta de Dados - Conceitos e orientações - Versão 1.5.

CAPES/MEC. (2014d). GEOCAPES - Sistema de Informações Georreferenciadas | CAPES. Recuperado de http://www.capes.gov.br/component /content/article/91-conteudo-estatico/avaliacao-capes/6886-geocapes

Carvalho, M. M. de, & Rabechini Jr., R. (2011). Fundamentos em Gestão de Projetos: Construindo Competências para Gerenciar Projetos (3o ed). São Paulo: Atlas.

Christopoulos, T. P. (2004). Importância da estratégia na gestão de projetos de TI. In Anais do Congresso Anual de Tecnologia de Informação (Vol. 4, p. 1–15). São Paulo.

Cleland, D., & Ireland, L. (2007). Project management: strategic design and implementation (5o ed). McGraw Hill Professional.

Fernandez, D. J., & Fernandez, J. D. (2008). Agile project management-Agilism versus traditional approaches. Journal of Computer Information Systems, 49(2), 10–17.

Ferraz, R. R. N., Quoniam, L. M., & Maccari, E. A. (2014). A utilização da ferramenta Scriptlattes para extração e disponibilização on-line da produção acadêmica de um programa de stricto sensu em Administração. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 11(24). http://doi.org/10.5748/9788599693100-11

Ferraz, R. R. N., Quoniam, L., & Rezende, L. M. A. (2014). Avaliação de redes multidisciplinares com a ferramenta scriptlattes: os casos da nanotecnologia, da dengue e de um programa de pós-graduação stricto sensu em Administração. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 19(40), 67–98.

Flick, U. (2009). An introduction to qualitative research. SAGE Publications.

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa (1o ed). Porto Alegre, RS: Plageder.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4o ed). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social (16o ed). São Paulo: Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, 35(2), 57–63.

Guedes, C. A. (2001). Currículo Lattes perguntas e respostas. Recuperado de http://www.pucrs.campus2.br/manuais/dicas_lattes.pdf

Hanisch, B., & Wald, A. (2012). A bibliometric view on the use of contingency theory in project management research. Project Management Journal, 43(3), 4–23.

Junior, J. S. S., & Quintella, R. H. (2005). Descoberta de conhecimento em bases de dados públicas: uma proposta de estruturação metodológica. Revista de Administração Pública, 39(5), 1077–1107.

Junior, L. J. M., & Plonski, G. A. (2011). Gestão de projetos em empresas no Brasil: abordagem “tamanho único”? Gestão da Produção, 18(1), 1–12.

Kerzner, H. (2011). Gerenciamento de projetos - uma abordagem: sistêmica para planejamento, programação e controle (10a ed). São Paulo: Edgard Blucher.

Maccari. (2015). Gestão de pós-graduação por meio da ferramenta computacional scriptlattes (Tese de Livre Docência). USP, São Paulo.

Maccari, E. A., & Teixeira, G. dos S. (2014). Estratégia e planejamento de projeto para acompanhamento de alunos egressos de programas de pós-graduação stricto sensu. Revista de Administração da UFSM, 7(1), 101–116.

Mainardes, E. W., Miranda, C. S., & Correia, C. H. (2011). A gestão estratégica de instituições de ensino superior: um estudo multicaso. Contextus-Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 9, p–19.

Marinho, M., Sampaio, S., Lima, T., & de Moura, H. (2014). A guide to deal with uncertainties in software project management. International Journal of Computer Science & Information Technology, 6(5), 1.

Maximiano, A. C. A. (2014). Administração de projetos: como transformar idéias em resultados (5a ed). São Paulo: Atlas.

MEC (2008). CAPES lança aplicativo gráfico para consulta única de dados. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?id=14059&option=com_content&view =article

Mena-Chalco, J. P., & Junior, R. C. M. (2009). ScriptLattes:an open-source knowledge extraction system from the Lattes platform. Journal of the Brazilian Computer Society, 15, 31 – 39.

Mena-Chalco, J. P., & Junior, R. M. C. (2011). Prospecção de dados acadêmicos de currículos Lattes através de ScriptLattes. Capítulo do livro Bibliometria e Cientometria: reflexões teóricas e interfaces (in press). São Carlos: Pedro & João, 1–20.

Meyer Jr., V. (2008). Planejamento universitário: ato racional, político ou simbólico-um estudo de universidades brasileiras. Revista Alcance, 12(3), 373–390.

Moritz, G. de O., Pereira, M. F., Moritz, M. O., & Maccari, E. A. (2013). A Pós-Graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 5(2), 03–34.

Neves, C., Martins, C. B., & Leite, D. (2002). A estrutura e o funcionamento do ensino superior no Brasil. In A educação superior no Brasil (p. 24–37). Porto Alegre, RS: CAPES, UNESCO, UFRGS.

Nigro, C. A., Ferraz, R. R. N., Quoniam, L., & Alves, W. A. L. (2015). Uso da ferramenta computacional Scriptlattes-Scriptsucupira na prestação de contas anual e quadrienal da CAPES por um programa de pós-graduação stricto sensu em Direito. In Resultado - XVIII SemeAd. São Paulo. Recuperado de http://semead.com.br/resultado-xviii-semead/

Nigro, C. A., Ferraz, R. R. N., Quoniam, L., Alves, W. A. L., & Messias, L. R. R. (2016). Prestação de contas anual e quadrienal à Capes por um programa de Pós-Graduação stricto sensu em Engenharia de Produção: utilização da ferramenta computacional Scriptlattes-Scriptsucupira. Revista PRISMA. COM, (29). Recuperado de http://revistas.ua.pt/index.php/prismacom/article/view/3641

Pacheco, R. C. dos S., & Kern, V. M. (2001). Uma ontologia comum para a integração de bases de informações e conhecimento sobre ciência e tecnologia. Ci. Inf, 30(3), 56–63.

PMI. (2013). Um guia do conhecimento em gerenciamento de projectos (Guia PMBOK®) Quinta Edição (5a Edição). Newtown Square, PA: Project Management Institute, Inc.

Quoniam, L., & Ferraz, R. R. N. (2014). Extração e disponibilização on-line de indicadores de desempenho e prospecção dos resultados das pesquisas em dengue realizadas pela comunidade científica brasileira por meio da utilização da ferramenta computacional Scriptlattes. Apresentado em XXXVIII Encontro da ANPAD.

Rolim, E. G., & Amaral, L. H. (2007). A gestão da produção acadêmico-científica nas instituições de ensino superior: a experiência da Faculdade ce Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa, (52(1)), 3–7.

Santos, C. (2003). Tradições e contradições da pós-graduação no Brasil. Educação e Sociedade, 24(83), 627–641.

Shenhar, A. J. (2012). What is Strategic Project Leadership? In PMI Global Congress Proceeding. Vancouver, Canada: PMI Canada.

Shenhar, A. J., & Dvir, D. (2010). Reinventando gerenciamento de projetos. A Abordagem Diamante ao crescimento e inovação bem-sucedidos (1o ed). M. Books.

Sidone, O. J. G. (2013). Análise espacial da produção e das redes de colaboração científica no Brasil: 1990-2010. Universidade de São Paulo.

Silva, H. A. S. da, Reina, D. R. M., Ensslin, S. R., & Reina, D. (2012). Programas de pós-graduação em contabilidade: análise da produção científica e redes de colaboração. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(14), 145–162.

Silva, R., Maccari, E., & Quoniam, L. (2015). Uma ferramenta para apoiar a seleção de dados no processo de descoberta de conhecimento em bancos de dados de produção acadêmica. Revista Gestão & Tecnologia, 15(1), 298–318.

Soares, L. H. (2014). Gestão de instituições de ensino: o ensino superior privado e os novos parâmetros de perenidade. Universitas: Gestão e TI, 3(2).

Teixeira, G., & Maccari, E. A. (2014). Desenvolvimento de uma sistemática para acompanhamento de alunos e egressos sob a perspectiva da gestão de projetos.

Theóphilo, C. R., & Martins, G. A. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas (2o ed). São Paulo: Atlas.

Thiollent. (2009). Pesquisa-ação nas organizações (2o ed). São Paulo (SP): Atlas.

Thiollent. (2011). Metodologia da pesquisa-ação (18o ed). São Paulo: Cortez.

UNESCO. (1996, maio). UNESCO and an Information Society for All. UNESCO.

Williams, T. (2005). Assessing and moving on from the dominant project management discourse in the light of project overruns.

Engineering Management, IEEE Transactions on, 52(4), 497–508.

Wysocki, R. K. (2013). Effective project management: traditional, agile, extreme (7o ed). John Wiley & Sons.

Yassuda, I. dos S. (2013). Artefatos de categorização de projetos espaciais e seleção de metodologias de gestão (Tese de Doutorado). INPE, São José dos Campos.




DOI: http://dx.doi.org/10.21902/emprad.v1i1.249

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista EMPRAD

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.