Planejamento de Adoção de Tecnologias de Informação Móveis em Equipe Multilocalizada de Projeto

Alex de Souza Santana, Cristina Dai Prá Martens, Henrique Mello Rodrigues de Freitas

Resumo


O presente relato descreve o processo de planejamento de adoção de tecnologias de informações móveis (TIMs) em uma empresa do setor de comércio varejista de materiais para casa e construção, à luz de um modelo teórico existente na literatura. O projeto foi motivado pela demanda de implantação de uma nova loja, distante mais de 500 quilômetros da matriz. Com isso, percebeu-se que o uso de TIMs seria imprescindível para execução deste novo projeto. Como método, foi utilizado estudo de caso, por meio de abordagem qualitativa, resultando na prescrição dos recursos necessários, dos impactos esperados nos envolvidos e na organização, bem como, do ganho financeiro esperado com a adoção de TIMs. Mas, mesmo o planejamento elaborado tendo descrito os benefícios esperados com a adoção de TIMs no projeto, a proposta foi recebida com cautela pelo corpo de executivos da empresa estudada. Foram sugeridas algumas melhorias ao modelo teórico utilizado como base, que poderiam ser reafirmadas ou contrapostas em estudos futuros, principalmente no que tange o alinhamento estratégico e a intenção de adoção de determinada tecnologia por parte do indivíduo.

Palavras-chave


Planejamento; Tecnologias De Informação Móveis; Projetos

Texto completo:

PDF

Referências


Albertin, A. L. (2001). Valor estratégico dos projetos de tecnologia de informação. Revista de Administração de Empresas – RAE, São Paulo, v.41, n.3, p. 42-50.

Andriessen, J. H. E., & Vartiainen, M. (Eds.). (2010). Mobile virtual work: a new paradigm? Berlin - Heidelber: Springer

Bautzer, D. (2009). Inovação: repensando as organizações. São Paulo: Atlas.

Biancolino, C., Kniess, C., Maccari, E., & Rabechini, R., Jr. (2012). Protocolo para elaboração de relatos de produção técnica. GeP – Revista de gestão de projetos. v.3, n. 2, pp. 294-307.

Bonabeau, E. (2009). Decisions 2.0: the power of collective intelligence. MIT Sloan Management Review, v.50, n.2, p. 45.

Carvalho, M. M., & Rabechini, R., Jr. (2010). Fundamentos em gestão de projetos. Construindo competências para gerenciar projetos. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Ebrahim, N. A., Ahmed, S., & Taha, Z. (2009). Virtual Teams: a Literature Review. Australian Journal of Basic and Applied Sciences, v.3, n.3, pp. 2653-2669.

Filev, A. (2008). Project management 2.0: the ultimate benefits of the new approach to project management. PM World Today, v.X.

Freitas, H. M. R., & Machado, C. B. (2009). Planejamento de iniciativas de adoção de tecnologias móveis. GEPROS – Gestão da produção, operações e sistemas. Ano 4, n.1, pp. 101-115.

ISO, A. N. (2012). 21500: 2012. Guidance on Project Management.

Kalakota, R., & Robinson, M. (2002). M-business: tecnologia móvel e estratégia de negócios (p. 249). Porto Alegre: Bookman.

Katzenbach, J. R., & Smith, D. K. (2005). The discipline of teams. Harvard Business Review, v.71, n.2, pp. 111-120.

Kosalge, P., & Tole, O. (2010). Web 2.0 and business: early results on perceptions of web 2.0 and factors influencing its adoption. In AMCIS, p. 208.

McDonald, P. (2011). It’s time for management 2.0: six forces redefining the future of modern management. Futures, v. 43, pp. 797-808.

Moore, G. C., & Benbasat, I. (1991). Development of an instrument to measure the perceptions of adopting an information technology innovation. Information Systems Research, v.2, n.3, pp. 192-222.

Patton, M. Q. (2005). Qualitative research: Encyclopedia of statistics in behavioral science. v.3, pp. 1633-1636. Chichester: John Wiley & Sons.

PMI Standards Committee. (2013). A guide to the project management body of knowledge - PMBoK. 5th Edition. Project Management Institute.

Rogers, E. M. (2003). Diffusion of innovations. 5th Edition. New York: The Free Press.

Saccol, A. Z., & Reinhard, N. (2007). Tecnologias de informação móveis, sem fio e ubíquas: definições, estado da arte e oportunidades de pesquisa. Revista de administração contemporânea. v.11, n.2, pp. 175-198.

Sandelowski, M. (2000). Focus on research methods: whatever happened to qualitative description? Research in nursing & health. v.23, pp. 334-340.

Sorensen, C. (2011). Enterprise mobility: tiny technology with global impact on work. Hampshire: Palgrave Macmillan.

Thamhain, H. J. (2012). The changing role of team leadership in multinational project environments. GEP - Revista de Gestão de Projetos, v.3, n.2, pp. 4-38.

Yin, R. K. (2014). Case study research: design and methods. 5th ed., pp. 3-24. USA: Sage Publication.

Van Aken, J. E. (2007). Developing organization studies as an applied science using a triple learning approach. Disponível em: http://www.egosnet.org/organization_studies/summer_workshops/2007

Venkatesh, V., & Davis, F. D. (2000). A theoretical extension of the technology acceptance model: four longitudinal field studies. Management Science, v.46, n. 2, pp. 186-204.

Venkatesh, V., Morris, M. G., Davis, G. B., & Davis, F. D. (2003). User aceptance of information technology: toward a unified view. Management Information Systems Quarterly – MISQ, v.27, n. 3, pp. 425-478.




DOI: http://dx.doi.org/10.21902/emprad.v1i1.250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista EMPRAD

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.